Âncoras em parafuso Xrosswater

A Xrosswater oferece inúmeras opções de ancoragem diferentes e uma seleção de tipos de âncoras, como as âncoras helicoidais, âncoras para rocha, entrelaçado de correntes e as âncoras Duckbill, para barragens de resíduos inclinadas, secas ou molhadas e aplicações em mar, rio ou pântanos. Nos passadiços compridos, a estrutura anti-rolamento estabilizante ajuda a estabilizar o passadiço durante ventos fortes.

Pode ser adicionada em menos de um minuto!

➢ Carga de trabalho superior a 2000 kg

➢ Como utilizado em passadiço com comprimento de 810 m e profundidade de 1,8 m (ver saliência do olhal)

Technical Specifications

For more detailled technical information please download the PDF

Download PDF

Tipos de âncoras

Âncoras entrelaçado de correntes

As âncoras entrelaçado de correntes é uma configuração de correntes unidas entre si de maneira a oferecer uma rede entrelaçada que depende de pontos de ancoragem partilhados por forma a manter a posição do passadiço. São frequentemente utilizadas em locais com movimentos das marés e/ou em que a ancoragem pode ser difícil devido a encostas íngremes debaixo de água, ou em reservatórios de água onde o nível de água pode cair e aumentar consideravelmente. Nestas configurações de ancoragem, podem ser necessários vários tipos de pontos de carga de âncoras e lastro que geralmente não são necessários em barragens de resíduos.

Âncoras de enroscar

As âncoras de enroscar são recomendadas para tipos de solo mais suaves, Classes 5-7. Não funcionam bem em solos rochosos. A âncora de enroscar é uma barra de aço galvanizado com um olhal numa extremidade para prender os cabos ou corrente e um parafuso de diâmetro variável na parte inferior, dependendo das condições do solo. São as âncoras padrão, normalmente utilizadas na indústria de serviços de utilidade pública.

As âncoras de enroscar são, geralmente, instaladas por duas pessoas que rodam um fuste enroscado através do olhal, mas que também podem ser instaladas com uma máquina elétrica. A âncora de diâmetro grande pode ser difícil de instalar, pelo que pode ser mais prático instalar duas âncoras de tamanho médio em locais com certos tipos de solo.

Âncoras drive-in

As âncoras drive-in são recomendadas para solos mais densos e rochosos, Classes 2-5 na Tabela 1. É utilizada uma biela de transmissão para encaminhar a âncora para debaixo do solo. As bielas de transmissão podem ser encaminhadas manualmente com um malho ou um equipamento elétrico, se disponível. A âncora drive-in “encaixa-se” puxando a âncora até que rode 90 graus. Recomendamos que faça um teste de verificação com um dinamómetro em cada âncora para se certificar de que está corretamente instalada.
Estas âncoras são úteis nos solos mais densos porque podem ser forçadas a entrar no solo mais facilmente, além de que a estrutura triangular tende a enroscar-se em torno de rochas no solo.

Âncoras para rocha

As âncoras para rocha são as geralmente utilizadas na indústria de construção em áreas rochosas. São adequadas para solos das Classes 0-1 na Tabela 1. É necessário fazer-se um buraco para a inserção da âncora para rocha enroscada. Em seguida, a âncora poderá ser cimentada no sítio, se desejado. A colocação de argamassa é necessária sobretudo em solos suaves, com rochas desintegradas ou em caso de desgaste devido à ação do tempo.
Nesse caso, a âncora é lançada no buraco e enrosca-se o olhal com uma barra, rodando até que a âncora se tenha expandido firmemente contra os lados do buraco. A âncora deve ser instalada a uma profundidade específica na rocha sólida.

Bloco de cimento

Por norma, a não ser que os detalhes do leito da barragem, da profundidade da água, do nível de PH, da densidade e profundidade dos resíduos sejam conhecidos, e que seja feita uma estrutura adequado e certas preparações, os blocos de cimento/barris redondos não são suportados como âncoras individuais pela Xrosswater Ltd. No passado, nos locais onde foram instaladas estruturas flutuantes e onde foram utilizados blocos de cimento como única solução de ancoragem, ocorreram os seguintes problemas: blocos a deslizarem em superfícies rochosas, rolamento, corrosão dos olhais, dificuldades na instalação, blocos que não eram pesados o suficiente, custo de produção, custo de manuseamento, blocos a movimentarem-se em direção às condutas, etc..
A Xrosswater Ltd pode optar pela utilização de blocos de cimento em determinadas condições da estrutura em que é necessária orientação, lastro ou uma rede de correntes e pesos.

Barragens revestidas e estabilidade dos passadiços

São necessárias mais minas para revestir as barragens de maneira a prevenir a fuga de água. Nestas circunstâncias, é necessário instalar as âncoras antes de revestir a barragem para que o revestimento possa ser vedado em torno do eixo da âncora. Podem ser instaladas folhas duplas de revestimento para prevenir o desgaste, sempre que necessário. Nas barragens revestidas existentes, dependendo da estrutura topográfica da barragem, do nível da água, etc., os cabos podem ser ancorados à borda superior da barragem e, com a utilização de pesos de lastro e boias esféricas, os cabos podem ser mantidos sob tensão garantindo, assim, que o passadiço Xrosswater permanece no sítio, como desejado. Além disso, o lastro e as boias podem ser inseridas ou presas aos passadiços e aos cabos das âncoras para aumentar a estabilidade do passadiço.

Orientações das âncoras

As âncoras utilizadas com o sistema da Xrosswater são componentes essenciais para a instalação da Xrosswater, que, quando geridos corretamente, asseguram uma utilização duradoura e sem problemas do passadiço.

Tipo de solo

A informação a seguir é fornecida para auxiliar na determinação de âncoras e métodos de instalação adequados. Porém, todos os locais são diferentes e é necessário fazer-se uma avaliação correta do local, bem como do solo ou resíduos para se determinar o tipo e a quantidade de âncoras necessárias.

Densidade da sedimentação

A maioria dos resíduos depositam os sedimentos de maneira diferente. É importante determinar qual é a percentagem normal de água nos resíduos que é depositada e qual a velocidade com que os resíduos depositam sedimentos, bem como saber se o resíduo sedimentado possui alguma característica de composto que possa suportar e aumentar a sustentação da carga da âncora. É uma informação importante, dependendo da carga que as âncoras terão de sustentar e do período de validade desejado para a plataforma ou passadiço.

Profundidade dos resíduos

Depois de escolhidos o tipo de solo e o tipo de âncora, é necessário determinar a profundidade adequada abaixo da superfície, na qual uma âncora consegue ter uma sustentação aceitável. Esta informação consegue-se através de testes de verificação em inúmeros locais ao longo da posição do passadiço proposto.

Condições climatéricas

Além do tipo de solo e profundidade, é igualmente importante conhecer as condições climatéricas do local, tais como os ventos máximos, direções e capacidade de congelação que possam coligir na água. As condições do solo podem suavizar ou alterar-se drasticamente com chuvas intensas. Uma vez que podem existir variações na condição exata do solo num local, pode ter de adquirir dois ou mais tipos de tamanho de âncora para a instalação e escolher a âncora adequada assim que tiver iniciado a instalação.

Níveis de PH

É necessário perceber o nível de PH atual e futuro da água para garantir que escolhe os tipos de corrente e peças de união corretos. Se existir uma longa distância entre a âncora e o passadiço, em certas circunstâncias, pode utilizar-se um arame, mas, por vezes, pode ser suficiente uma corda de fibras.

Tipos de solo

Classificação do solo e descrição

Classe 0: rocha dura com som inalterado por intempéries. Inclui granito, basalto, pedra amorfa, calcário.
Classe 1: areias muito densas e/ou cimentadas; areia grossa e seixos. Inclui caliche (areia grossa com nitratos/rocha).
Classe 2: areia fina densa; siltes muito duros e argila (pode ser pré-carregada). Inclui tilito de basalto, argila rochosa, caliche, rochas laminadas por ação do tempo.
Classe 3: areias densas e grossas; siltes muito duros e argila. Inclui tilito glacial, argila xistosa por ação do tempo, xisto e limonite.
Classe 4: areia de densidade média e grossa; siltes duros e muito duros e argila. Inclui tilito glacial, crosta calcária, margas.
Classe 5: areia grossa de densidade média e gravilha arenosa; argila dura e muito dura e siltes. Inclui saprolitos, solos residuais.
Classe 6: densidade média e baixa, areia fina e grossa; argila dura e siltes. Inclui aterro hidráulico denso, aterro compacto, solos residuais.
Classe 7: areia fina e solta; aluvião; loess; dureza média e várias argilas; aterro. Inclui solos de planícies inundadas, argila de lagos, adobe, lamaçal, aterro.
Classe 8: turfa e siltes orgânicos; siltes inundados, cinza volátil, areias muito soltas, e argila suave a muito suave.
Inclui vários aterros, pântanos.

Técnicas de gestão de âncoras dos pisos

1) Duplo travão para evitar que a corrente se solte

No piso do passadiço Xrosswater há um olhal em aço inoxidável onde estão acorrentadas as correntes da âncora. Pela experiência passada, observou-se que quando as correntes da âncora estão a ser ajustadas, por vezes, os montadores podem deixar cair acidentalmente a corrente da âncora nos resíduos. O duplo travão é uma medida preventiva que garante que a corrente se mantém unida.

2) Tensor elástico de borracha

A integração de tensores elásticos garante que as âncoras do passadiço ou cabos se mantenham sempre sob tensão nos locais onde a água da barragem flutua regularmente, o que elimina a necessidade de as correntes de âncora serem apertadas ou soltas manualmente.

3) Barras transversais alargadas

A largura normal do passadiço Xrosswater é de 1,5 m. Ao aumentar a largura do passadiço a partir de uma perspetiva de ancoragem, também podemos aumentar a estabilidade do passadiço Xrosswater. Quando se alargam as barras transversais até ao ponto onde estão localizadas as âncoras em 0,75 m de ambos os lados, a largura do passadiço será de 3 m. A corrente da âncora prende-se ao olhal de aço inoxidável, atravessa horizontalmente um cabo guia e, em seguida, vai na diagonal até à água, atravessando os resíduos e o leito da barragem onde se liga à âncora.

4) Indicadores de carga da âncora

Os “Indicadores de carga da âncora Xrosswater”. Concebidos e produzidos em cor de laranja vivo para funcionar como um indicador visual para os operadores de carga assim como as correntes da âncora ou cabo estão estáveis. Assim que a carga exceder um nível pré-determinado em qualquer uma das correntes da âncora, o indicador de carga irá destacar-se e indicar de modo claro ao operador que são necessários ajustes. Assim que a separação tiver ocorrido, a carga na corrente é transferida de volta para a corrente, concedendo um número de dias para os ajustes necessários serem concluídos.
A vantagem em utilizar-se os “Indicadores de carga da âncora Xrosswater” é que o operador é capaz de manter registos sobre que âncora foi ou não ajustada e, deste modo, poderão identificar que âncora pode estar a escorregar e não ser segura.

Gestão do passadiço

O nível de água da barragem pode ser facilmente monitorizado através da aplicação de alguns medidores ao longo das laterais e extremidades do passadiço Xrosswater. A monitorização dos níveis de água fornece a informação necessária para se saber quando é que as âncoras precisam de ser ajustadas. O facto de se manter um registo de gestão regular de tais dados, incluindo os motivos por que foram feitos tais ajustes, bem como a utilização de um GPS de mão a indicar a posição do local +/- de 150 a 150 m, seria possível indicar o quão longe o passadiço pode ter estado, possivelmente devido a correntes demasiado longas, ao movimento dos resíduos ou vento constante. A utilização desta informação garante que a gestão tem toda a informação sobre o estado do passadiço e dinâmicas da barragem.

Pontos de ancoragem no passadiço Xrosswater:

Nos testes, o suporte acima foi alargado até 8500 lb/3863 kg sem partir!